Select your Language

História da banda

Integrantes

Klaus Meine: vocalista desde a fundação
Rudolf Schenker: guitarrista desde a fundação
Matthias Jabs: guitarrista desde 1978
James Kottak: baterista desde 1996
Pawel Maciwoda: baixista desde 2004

O INÍCIO

Scorpions em 1965
O Scorpions é a maior banda de hard rock do mundo formada na Alemanha. Formada em meados dos anos 60 pelo jovem guitarrista Rudolf Schenker, na cidade de Hannover, a banda viria a se lançar profissionalmente no começo dos anos 70. Depois de enviarem uma fita-demo a um conhecido produtor alemão, Conny Plank, a banda consegue lançar seu primeiro LP no ano de 1972. Lonesome Crow foi o título do primeiro trabalho do Scorpions então formado por Klaus Meine nos vocais, os irmãos Michael e Rudolf Schenker nas guitarras, Lothar Heimberg no baixo e Wolfgang Dziony na bateria.

Esse disco mostra a banda fazendo um hard rock complexo, virtuoso, baseado na potência vocal de Klaus Meine e nos belos solos do virtuoso Michael Schenker. A banda consegue mostrar uma boa imagem com o Lonesome Crow e logo são contratos pela famosa gravadora RCA. Neste meio tempo, Heimberg, Dziony e Michael Schenker deixam a banda e Klaus Meine e Rudolf Schenker iniciam a busca por substitutos.

A ERA ULI JON ROTH

Scorpions em 1972: Michael Schenker, Joe Wyman, 
Lothar Heimberg, Klaus Meine, Rudolf Schenker 
Uli Jon Roth, Francis Buchholz e Jurgen Rosenthal, os três integrantes da banda Dawn Road, decidem se juntar a Klaus Meine e Rudolf Schenker no Scorpions.

Com essa poderosa formação, a banda lança Fly To The Rainbow, no qual se destacam as músicas Speedy’s Coming, They Need a Million e Fly To The Rainbow.

O sucessor de Fly To The Rainbow foi o profundo In Trance, o álbum que apresenta a maior carga de psicodelismo do Scorpions. Uli Jon Roth está cada vez melhor, reafirmando o prestígio musical que conquistou na Europa. Dark Lady, Sun in My Hand, In Trance e a instrumental Night Lights se destacaram no álbum.

Logo em seguida, em 1976, veio o pesadíssimo Virgin Killer, já com Rudy Lenners na bateria. Neste álbum, estão clássicos como Pictured Life, Catch Your Train e Polar Nights. A capa do Virgin Killer, que trazia uma menina nua, foi censurada na Europa.

Scorpions em 1974: Uli Roth, Francis Buchholz, Klaus Meine,
Jürgen Rosenthal, Rudolf Schenker

Scorpions em 1975: Francis Buchholz, Klaus Meine, Rudy Lenners,
Uli Roth, Rudolf Schenker 
A SAÍDA DE ROTH E O MERGULHO NO HARD ROCK

Scorpions em Tokyo: 1978
Uli Jon Roth decide que quer seguir um rumo musical diferente e sugere se retirar da banda. A pedidos, participa ainda de um álbum em estúdio, o ótimo Taken By Force. Neste álbum nota-se uma clara fusão entre o que o Scorpions fez em In Trance e Virgin Killer, em faixas como The Sails Of Charon e Your Light, com o que a banda viria a produzir após a saída de Uli, em 1978, como as músicas Steamrock Fever e He’s a Woman She’s a Man.

Além dessas músicas, o Taken By Force também traz a clássica We’ll Burn The Sky, presente até hoje nos shows da banda. Em 1978, como resultado da bem-sucedida turnê pelo Japão e como despedida de Uli Jon Roth da banda, é lançado Tokyo Tapes, o primeiro álbum ao vivo da banda.

Em 1979, o jovem Matthias Jabs assume a guitarra deixada por Roth e o Scorpions lança o eclético Lovedrive. Com faixas marcantes como Holiday, Always Somewhere e Loving You Sunday Morning, o álbum é um sucesso pela Europa. Nele também há a participação de Michael Schenker em três faixas, inclusive na instrumental Coast to Coast.

Scorpions no Japão em 1978: Klaus Meine, Uli Roth, Herman Rarebell,
Rudolf Schenker, Francis Buchholz 

ANIMAL MAGNESTISM & BLACKOUT

Scorpions em 1979: Francis Buchholz, Herman Rarebell, 
Klaus Meine, Matthias Jabs, Rudolf Schenker
A partir de então, a formação clássica da banda se consolida com Klaus Meine, Rudolf Schenker, Matthias Jabs, Francis Buchholz e Herman Rarebell. Em 1980, é lançado Animal Magnetism, álbum de onde estourou a clássica The Zoo, presença certa em todos os shows da banda desde então. A balada Lady Starlight também se destaca.

Após a turnê, Klaus Meine perde sua voz devido a nódulos em suas cordas vocais. A tensão se instala na banda. Klaus faz uma delicada cirurgia e recupera-se durante quase um ano para poder voltar a cantar. A banda, numa demonstração de apoio a Meine, resolve aguardar a recuperação completa do cantor para prosseguirem.
Em 1982, Klaus volta, literalmente, soltando a voz em Blackout, um dos maiores clássicos do rock oitentista. Praticamente todos os nove hits do disco emplacaram de forma estrondosa e o Scorpions reafirma seu status de mega-banda do rock mundial.

O AUGE DO SUCESSO & ROCK IN RIO

Scorpions no Rock in Rio em 1985
Blackout foi seguido pelo igualmente espetacular Love at First Sting, de 1984. Bad Boys Running Wild, Rock You Like A Hurricane, I’m Leaving You, Coming Home e Big City Nights emplacam nas paradas mundiais ao mesmo tempo. Mas o carro chefe foi a histórica balada Still Loving You, considerada hino do estilo. O sucesso da turnê conta com uma passagem pelo Brasil. Na primeira edição do Rock in Rio, em 1985, o Scorpions é uma das atrações que levaram um público de mais de 300 mil pessoas ao êxtase.

Moscow, 1989
A turnê do álbum, aliada ao sucesso nos Estados Unidos, resulta no segundo LP ao vivo do Scorpions: World Wide Live. Contendo músicas apenas da época pós-Uli Jon Roth, este álbum é um ótimo resumo da trajetória de sucesso da banda nos anos 80.

O Scorpions fica três anos sem lançar um inédito de estúdio. A expectativa é finalmente saciada em 1988 com o lançamento de Savage Amusement, nº 1 nos Estados Unidos e 3º mais vendido na Europa. O álbum traz uma pegada diferente das anteriores mas traz boas canções como Rhythm of Love e Believe in Love.

Através do Savage Amusement, o Scorpions se torna a banda mais popular na decadente União Soviética. Tamanho sucesso rendeu um VHS especial para o país: To Russia With Love and Other Savage Amusements.

OS VENTOS DA MUDANÇA

Scorpions com Mikail Gorbachev, em 1991
A Rússia foi a maior inspiração para o álbum seguinte do Scorpions: Crazy World, lançado em 1990. Este disco torna-se fenômeno de vendas por todo o mundo e, a lindíssima Wind Of Change, a música mais tocada em 11 países. Don’t Believe Her, Tease Me Please Me, Hit Between The Eyes e Send me an Angel são os outros clássicos do Crazy World. Em 1991, o Scorpions é recebido no Kremlin para encontrar Mikail Gorbachev, o último lider da União Soviética. Foi um evento único na história da URSS e da música.

A turnê do álbum é extensa e cansativa mas termina com a saída do baixista Francis Buchholz da banda, por motivos obscuros nunca esclarecidos completamente. Ralph Rieckermann assume o baixo da banda que ficara por 14 anos (1978-1992) sem mudar a formação.

Em 1993, Rieckermann estréia com o pesado e ótimo Face The Heat, comandado por hits bem heavy metal como Alien Nation e No Pain No Gain, baladas românticas como Lonely Nights e a política Under the Same Sun.

Mais um disco ao vivo é lançado em 1995. Live Bites reúne os sucessos da banda de 1988 até 1995, destacando-se as inéditas Ave Maria no Morro e White Dove.

No ano de 1996, sem Herman Rarebell, o Scorpions lança Pure Instinct, mostrando a banda investindo mais em baladas e arranjos trabalhados. A romântica e bela You and I foi a música de maior sucesso do Pure Instinct.

SCORPIONS POP?

Scorpions em 1999, já com Ralph Rieckermann
Em 1999, o Scorpions decide inovar. Baseado em música eletrônica e rock moderno, a banda lança o experimental Eye II Eye, já com o americano James Kottak na bateria.

O álbum é até hoje motivo de críticas dos fãs, embora apresente uma bela produção, capitaneada por Peter Wolf e belas canções como What You Give You Get Back, Mind Like a Tree, Du Bist So Schmutzig e A Moment in a Million Yeras.

Críticas e elogios à parte, é muito raro e quase impossível que canções do Eye II Eye apareçam nas turnês da banda hoje em dia.


PROJETOS E A VOLTA AO HARD ROCK

Scorpions com a Orquestra Filarmônica de Berlim, 2000
Em 2000, é lançado Moment Of Glory. Disco resultado da fantástica parceria entre o Scorpions e a Orquestra Filarmônica de Berlim. Neste álbum, os maiores sucessos da banda ganharam maravilhosos arranjos clássicos da orquestra mais importante do mundo.

O álbum foi aclamado pelos fãs e pela crítica e conta com participações especias do italiano Zucchero em Send Me na Angel, Lyn Liechty num dueto em Here in My Heart e Ray Wilson cantando Big City Nights. O DVD Moment of Glory foi gravado num show na EXPO 2000, em Hannover.

No ano de 2001, o Scorpions decide continuar dando novas roupagens a velhos clássicos e eis que é lançado Acoustica. Gravado em Lisboa, o disco fez um enorme sucesso por todo o mundo e foi o grande responsável pelo boom no número de fãs jovens que a banda adquiriu recentemente.

Depois de 5 anos sem um disco de rock, a banda volta com tudo em Unbreakable. O disco é muito bem produzido e agrada aos fãs. As faixas New Generation, Deep and Dark e Through My Eyes merecem destaque. Além da bela Remember the Good Times. A Unbreakable Tour passa pelo Brasil em 2005 com shows em São Paulo, Vitória e Porto Alegre.

Neste meio tempo, o baixista Pawel Maciwoda entrou no lugar de Ralph Rieckermann.

ALERTA À HUMANIDADE!

Scorpions em 2007, já com Pawel Maciwoda
Em 2007, a banda lançou Humanity — Hour I, um álbum com um hard rock moderno, baseado em temas importantes e sobretudo, repleto de mensagens e alertas à humanidade. A turnê do álbum veio ao Brasil em Agosto de 2007 passando por Manaus — cujo show seria lançado em DVD especial —, Recife e São Paulo.

No começo de 2008, foi lançado o DVD "Live at Wacken Open Air 2006" com o registro do show histórico realizado em 3 de Agosto de 2006, na Alemanha, no tradicional festival de heavy metal, com as participação mais que especiais de Uli Jon Roth, Herman Rarebell e Michael Schenker

Num set-list de 25 canções, passando por todas as fases da banda, o DVD já é item obrigatório a todo viciado em Scorpions.

STING IN THE TAIL: A DESPEDIDA?

Scorpions em 2010, durante a turnê
Get Your Sting and Blacout, em São Paulo
Em 2010 é lançado o DVD Amazônia – Live in the Jungle, com o apoio do Greenpeace. O DVD contém partes do show gravado em Manaus em 2007 e o show de Recife em 2008, além de contar com um documentário do Greenpeace com o sobrevôo da banda na Amazônia. Parte das vendas do DVD será convertida em fundos para a preservação da floresta.

Em janeiro do mesmo, o Scorpions anuncia o fim de suas atividades e a última grande turnê denominada “Get Your Sting and Blackout” que duraria entre 2 e 3 anos, passando por todos os continentes para promover recém lançado e último álbum da banda denominado Sting in The Tail, contendo 11 músicas na edição americana, 12 músicas em alguns países da Europa e 13 músicas na edição japonesa.

Em novembro de 2011 foi lançado o Comeblack, um álbum de regravações de seus próprios clássicos e covers de grandes bandas como The Rolling Stones e The Beatles.

DO NOVO ACÚSTICO AO RETORNO ÀS ORIGENS

Em 2013, ao terminar sua grande turnê "Get Your Sting and Blackout" a banda revela a desistência dos seus planos de aposentadoria. Em entrevista exclusiva ao Scorpions Brazil, Klaus Meine diz:
"[...] nós não vamos acabar com a banda... na verdade eu nunca disse que nós íamos acabar com a banda, eu disse que pararíamos com as turnês, há muito trabalho para todos nós fazermos e, claro, depois de 40 anos da nossa carreira, é impossível voltar para casa sem ter um trabalho artístico esperando por você."
Soudcheck em Estugarda, Alemanha.
 Turnê MTV Unplugged, 2014
No mesmo ano, a banda fala sobre lançar material inédito, trabalhando em antigas gravações dos anos 80. Logo em seguida, anuncia a gravação do MTV Unplugged em Atenas, seu segundo álbum acústico, com muito mais pegada rock and roll que o seu antecessor Acoustica, e nos dias 11, 12, e 14 de setembro de 2013 são gravados três shows no Teatro Lycabettus, que deram origem ao álbum, lançado em . Essa foi a primeira gravação em local aberto na história do MTV Unplugged. 
Além dos clássicos, muitas canções foram tocadas ao vivo pela primeira vez, como Born to Touch Your Feelings e When You Came into My Life. Além disso, foram apresentadas cinco músicas inéditas: Dancing With the Moonlight, Love is The Answer (na voz de Rudolf Schenker), Delicate Dance, Follow Your Heart (Com apenas Klaus Meine tocando violão e cantando) e Rock 'n' Roll Band.

Scorpions na turnê MTV Unplugged,
em Estugarda, Alemanha, em 2014
Alguns meses depois do lançamento do álbum, James Kottak é preso em Dubai, dia 29 de abril de 2014, por comportamento alterado ao insultar o Islã dentro do avião após aterrissagem em solo árabe, impossibilitando-o de participar da mini turnê alemã para promoção do álbum na Alemanha, sendo substituído, às presas, pelo baterista sueco Johan Franzon. Um mês depois de sua prisão, após ter completado a pena, James é liberado, mas não é reintegrado imediatamente à banda. Após passar por período de adaptação e ajuda especializada, Kottak retorna às suas atividades junto ao Scorpions em Dezembro de 2014. No mesmo ano, o Scorpions é indicado a dois prêmios Echo ("o Grammy europeu") pelo MTV Unplugged. 

Em fevereiro de 2015, é lançado seu novo álbum de estúdio "Return To Forever", considerado por muitos como um álbum de volta às origens da banda, contendo músicas inéditas e algumas regravadas dos anos 80, como é o caso de Rock My Car. Com esse álbum, a banda inicia sua turnê mundial comemorativa dos seus 50 anos de estrada, intitulada "50th Anniversary – World Tour", e, desde então, o Scorpions segue na estrada, atualmente em turnê, da qual os fãs brasileiros esperam ansiosamente para fazer parte.

Scorpions 2015: Return to Forever





Youtube

Loading...