Select your Language

Curiosidades

Algumas curiosidades sobre Scorpions:


• Nos discos Fly To The Rainbow e In Trance, é possível perceber que algumas músicas possuem teclados. Nesse caso, o tecladista aparece como músico adicional. O músico em questão é o Achim Kirschning.

• A melodia de In Trance foi composta por Rudolf Schenker e foi mostrada à banda numa antiga igreja da Bélgica enquanto eles estavam em turnê. Ele sentou na igreja e começou a tocar os riffs da música pra mostrar pro pessoal da banda. Segundo Klaus Meine, a banda sentiu que havia uma atmosfera especial em volta da canção.

• Quando a banda viu a capa de Virgin Killer pela primeira vez, ficaram chocados por causa da garota nua e ficaram em dúvida se usariam mesmo aquela capa ou não. Então, resolveram usá-la justamente por ser chocante. Os fãs adoraram, mas a crítica caiu matando. Segundo Klaus Meine, hoje em dia ele acha que a capa foi um pouco "exagerada" pra época. egundo ele, o significado da capa vai muito além da nudez na menina. Ele diz: "As crianças crescem, e como adultos, perdemos nossa inocência". Ou seja, analisando a letra de Virgin Killer, na parte "he's a virgin killer" (ele é um "assassino de virgens" ou "é um assassino da virgindade") pode ser encarado segundo a afirmativa de Klaus Meine, que quando crescemos, acabamos "sacrificando" nossa inocênica e pureza de quando éramos crianças.

• Em Steamrock Fever, na introdução da música foi usada uma britadeira de verdade, que foi manipulada por alguns trabalhadores da construção civil contratados pelo produtor Dieter Dierks.

• A melodia de We'll Burn The Sky foi composta por Rudolf Schenker, mas a letra foi escrita por Monika Dannemann, que na época era a atual namorada de Ulrich Roth, mas ficou conhecida como a última namorada de Jimi Hendrix. Segundo Klaus, a letra de We'll Burn The Sky é uma homenagem de Monika a Jimi Hendrix.

• (retirados do encarte do cd "Gold") • Segundo Rudolf, Top Of The Bill foi composta inspirada numa carta recebida de um fã japonês.

• The Zoo, uma das músicas mais populares do Scorpions, foi escrita inspirada numa viagem que a banda fez pra Times Square em Nova York. Na cidade, existe uma rua conhecida pelos tipos estranhos e por ser barra pesada, chama 42nd Street. Inclusive, ela é citada na música e também foi citada antes de começarem a tocar a música no Acoustica, onde Klaus diz: "Fourty-second street, New York City, here we go".

• A letra de No One Like You foi escrita por Klaus Meine em homenagem à sua esposa Gaby, que via muito pouco por causa das extensas turnês.

• Can't Explain foi regravada pelo Scorpions no disco Best Of Rockers And Ballads e é uma cover da banda The Who. A música foi originalmente regravada pela banda pra arrecadar fundos para a entidade beneficente "Make A Difference" e segundo Klaus, escolheram ela para tal porque ele e Rudolf sempre foram fãs do The Who, inclusive Rudolf até já comprou uma Flying V de Pete Townshend.

• A primeira vez que o Scorpions trabalhou com outro compositor em um álbum inteiro foi em Crazy World. Em várias músicas pode-se constar a participação de Jim Vallance.

• A música Cause I Love You foi escrita originalmente para o álbum Lovedrive, mas pelo que parece, ficou engavetada até ser lançada como inédita na coletânea "Bad For Good" em 2002.

• (retirados do encarte do cd "Gold") • O single White Dove foi feito especialmente pelo Scorpions pra também arrecadar fundos para outra instituição de caridade, a Unicef de Ruanda, país da África que passava por uma guerra civil na época. A voz feminina presente em White Dove é da cantora Rocq-E Harrell e a voz das crianças é do coral Kinderchor Majell Lustenhouwer (esse palavrão mesmo!).<br>(retirado do encarte do Live Bites e pesquisas minhas na internet)

• No álbum Pure Instinct, o bateria Herman Rarebell já tinha deixado a banda, então o Scorpions contratou um músico de estúdio, Curt Cress, que também tocava na banda alemã de rock progressivo Triumvirat.

• (pesquisa de FábioLéda) • Ao contrário do que muitos dizem, o Scorpions não gravou o Moment Of Glory com a Orquestra Filarmônica de Berlim pra ir no embalo do disco S&M do Metallica, que foi gravado com uma orquestra sinfônica de São Francisco. Segundo Klaus, a orquestra alemã é que convidou o Scorpions para um projeto e isso foi em 1995. Em 1996, o Scorpions e a Filarmônica de Berlim começaram a fazer alguns testes e até gravações juntos. A princípio, o maestro escolhido pra trabalhar com o Scorpions e a orquestra nesse projeto seria Michael Kamen, mas quando a banda viajou pra gravar o álbum Eye To Eye, Michael Kamen foi para os EUA e gravou o projeto com o Metallica, o que fez o Scorpions procurar outro maestro, nesse caso o austríaco Christian Kolonovits.

• Existe um boato de que Herman Rarebell não gravou a bateria do disco Savage Amusement, pois além de ser bem trabalhada é extremamente polida e num timbre que o Herman não costumava usar. Mas isso foi desmentido pelo próprio Klaus Meine em entrevista à Roadie Crew.

• Segundo Klaus Meine, a idéia de fazer um álbum acústico já tinha sido sugerida pela MTV nos anos 80, e inclusive a emissora pedia para que o Scorpions fizesse um acústico pela emissora. Mas a banda sentia que não era a hora certa pra isso e anos depois, resolveu fazer por conta própria o seu próprio disco acústico, depois da insistência da gravadora Warner/East West, devido a uma enorme demanda pra este tipo de projeto.

• Cinco discos preferidos de Klaus Meine: Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band (Beatles), Led Zeppelin IV (Led Zeppelin), In Rock (Deep Purple), Exile On Main Street (Rolling Stones) e Hotel California (Eagles).

• (retirados da revista Roadie Crew n° 32) • A música Maybe I Maybe You foi composta pelo compositor iraniano Anoushirvan Rohani junto com Klaus Meine, que escreveu a letra, e a princípio seria gravada fora do Scorpions por Klaus Meine, mais uma vez para fins humanitários. Segundo Rudolf, depois de um jantar, Klaus Meine estava cantarolando a música quando ele (Rudy) se interessou e perguntou do que se tratava. Klaus explicou e Rudolf logo deu a idéia de colocá-la no álbum. A idéia foi bem aceita e quando foram gravar, foi composta uma parte adicional que a música não tinha, que é aquele final com os riffs de guitarra. Segundo Klaus, Anoushirvan é médico cirurgião e quando estavam compondo a música, decidiram escolher o título porque Klaus como músico e Anoushirvan como médico, eram duas pessoas que tinham profissões muito importantes e que mexiam com a vida das pessoas.

• Segundo Rudolf, James Kottak foi escolhido pra substituir Herman Rarebell depois que ele e a banda viram James tocando como banda de abertura pro Scorpions na banda Kingdom Come, em 1988. Inclusive, o próprio Herman aprovou James para ser seu substituto na banda.

• Marcel, filho de Rudolf, chegou a se arriscar na música como baterista, mas segundo ele, em tom de brincadeira, "não aguentava ver os guitarristas sempre brigando pra fazer os solos" então decidiu abrir uma loja de mateirais esportivos.

• Cinco discos preferidos de Rudolf: Physical Graffiti (led Zeppelin), A Night At The Opera (Queen), Blackout (Scorpions), Strangers In The Night (UFO) e Back In Black (AC/DC).

• (retirados da revista Roadie Crew n° 68) • Segundo Rudolf, numa entrevista à Rock Brigade em 96, ele adorou uma "bebida maravilhosa feita com limão e açúcar", e quando o repórter respondeu "caipirinha", ele confirmou e disse que sempre bebe em sua casa e até sugeriu a um amigo dono de um bar em Hannover a vender a bebida. Resultado: sucesso absoluto!

• (retirado da revista Rock Brigade de 1996) • Quando Ulrich Roth deixou a banda, o Scorpions se viu na difícil tarefa de escolher um guitarrista à altura. Nisso, Herman Rarebell sugestionou a banda em procurar um guitarrista na Inglaterra, visto que as melhores bandas de rock vinham de lá e como o Scorpions almejava fama internacional, seria a melhor escolha. Mas ele estava enganado. Depois de testarem 178 guitarristas de lá (incluindo Pete Tolson do Pretty Things e Paul Chapman do UFO), acabaram escolhendo Matthias Jabs, que por incrível que pareça era conterrâneo do Scorpions e foi indicado por Zeno, irmão de Uli.

• (retirado da revista Metal Massacre n° 15) • Big City Nights foi composta inspirada no belíssimo pôr-do-sol de Tokyo, onde Klaus diz: "parecia que o céu estava em chamas".

• A letra de Still Loving You foi composta por Klaus enquanto ele fazia uma caminhada num dia frio e cheio de neve no inverno. Ele confirma: "eu tinha, mais ou menos, toda a letra na minha cabeça no final da caminhada". A melodia foi composta por Rudolf anos antes, mas resolveram colocá-la num ábum somente em 1983, nas gravações de Love At First Sting.

• (retirados do encarte do cd Bad For Good) • A família Schenker é famosa por possuir dois guitarristas de renome que sào Rudolf e Michael, que tiverma a carreira iniciada no Scorpions.Agora, o que pouca gente sabe é que eles têm uma irmã caçula, Barbara Schenker, que oa invés de guitarrista é tecladista e possuía um grupo de muito prestígio na Alemanha, "Viva". O som de sua banda era bem difernete do Scorpions ou UFO, porém fazendo uma linha mais pop, porém não é por isso que deixa de ser uma instrumentista tão boa quanto seus dois irmãos. • Como sabemos, a história do Scorpions começou em Hannover. Klaus Meine cantava numa banda chamada "Mushrooms", quando conheceu os irmãos Schenker. Rudolf com 23 e Michael com 16 anos.Para poder fazer uma banda com eles, Meine teve que pedir permissão aos pais dos meninos (imagine se o papai Schenker não tivesse concordado?!). Isso porque o Michael tinha se tornado um alcoolátra aos 12 anos de idade, quando fazia parte de uma bandinha local. E o senhor Schenker, professor de violino e engenheiro civil aposentado, temia pela sorte de seu filho num conjunto de rock. Felizmente, Klaus deu uma de responável e caiu na simpatia do velho, depois daí, todo mundo sabe o que rolou. • Herman Rarebell duarante as gravações iniciais do "Love At First Sting", esteve internado numa clínica na Suíça, por cinco semanas, para se desintoxicar, já que é conhecido como o Scorpions que mais bebia, pois desde a sua estada na Inglaterra, onde também trabalhou como bar-man, ele bebia mais que os frequentadores do bar."Uma vez eu fui um bar-man, mas isto não durou muito.Eu acabei sendo meu melhor cliente!", fala Herman Rarebell. • Para quem não sabe, a galera do Scorpions tem um hábito de convidar alguns fãs após cada espetáculo para uma confraternização durante a festa que rola. E pelo visto, quem já foi guarda muitas boas recordações boas."Nós não queremos ficar isolados", comenta Klaus, "nós damos aos fãs muita energia durante o show e eles nos dão de volta, por que isto deveria parar quando o show termina". • Se vocês pensam que os membros do Scorpions eram ricos, engano de vocês, Klaus Meine , antes de ser o famoso vocalista que é fazia cortinas para viver.Herman Rarebell, trabalhava num pub em Londres, lavando pratos e copos. Além disso tudo, a maior dificuldade para o grupo foi a barreira da língua, originários da Alemanha, não dominavam o inglês, com exceção de Herman. Para maiores horizontes, Rudolf & Cia decidiram aprimorar o inglês durante a gravação do album "Blackout". Transposta a barreira, nenhum obstáculo maior atrapalhou a carreira do Scorpions. • Durante as gravações do "Blackout", Klaus Meine teve sérios problemas nas suas cordas vocais. Ele quase ficou impossibiltado de continuar cantando. O clima que se instarou no grupo foi de total insegurança e apreensão. Para tentar segurar a onda e dar continuidade às gravações, Dieter Dierks, produtor do grupo ( e também do Dokken) chamou a galera do "Dokken" para que eles dessem uma força, fazendo as provisórias vocalizações, enquanto Klaus estava no hospital, num tratamento intensivo. Felizmente, 1981, passou e com ele os temores e os problemas vocais de Klaus. • Pois é, nos Estados Unidos acontece de tudo, desde as pirações mais fantásticas às caretices mais babacas. E o Scorpions não podia ficar alheio a essa caretice, que foi a de proibir a vendagem do disco "Love At First Sting" com a capa original. Só que isso não era uma opinião unânime, apenas uma rede de lojas, super conceituada, mas repleta de moralismos, não queria aceitar a exibição da capa, onde um casal está numa posição um tanto quanto erótica (e o título do álbum também não fica atrás), assim a resolução foi muito simples: fazer duas capas, uma careta e certinha e outra mantendo a capa original, assim ficava a critério das lojas escolher qual delas vender. E a solução foi um sucesso, pois desse modo as vendagens não caíram, e a propaganda em torno do assunto propiciou uma curiosidade ainda maior por parte dos fãs e também não fãs do Scorpions. Como aqui no Brasil pode se esperar qualquer coisa, felizmente a capa saiu original. • Cada show que o Scorpions faz esgota rapidamente todos os ingressos, isso em qualquer lugar do mundo, ainda sobre a tour "Love At First Sting" só nos USA faturaram uma grana muita alta, no show dado no "Dallas Reunion Arenas" (Texas) reuniu nada mais nada menos do que 119.070 fãs só numa noite. Nessa mesma tour, também esgotaram para as duas noites no Forum, em Los Angeles. E o mais impressionante aconteceu no "Chicago's Rosemont Horizon", pois assim que abriu a venda para as entradas elas acabaram em apenas 25 minutos. Devido a tanta receptividade dos fãs americanos, ainda tiveram que acrescentar mais dois dias na cidade de "Windy".

Youtube

Loading...